Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Crepes docinhos, quem quer?

Olá beldades :)
Não sei quanto a vocês, mas por aqui, a quarentena está a trazer muita fome e imensas vontades ahaha andava cheia de vontade de comer crepes, mas os meus, apesar de bons, nunca ficavam a parecer os que se comem nos cafés. Pois que procurei receitas, meti mãos à obra e cá estão os meus tão desejados crepes.
Como tristezas não pagam dívidas, como agora andamos sempre a queixarmo-nos, decidi partilhar com vocês desta receita docinha :)

1 ovo
1 chávena de farinha (coloquei metade farinha de trigo e metade maizena)
1 chávena e meia de leite
3 ou 4 colheres de açúcar
(a receita dizia sal qb mas não coloquei)

Simples não é?
Vamos adoçar este final de dia?
Mensagens recentes

Fechar Março, começar Abril

Março foi um mês dificílimo para todos. Quanto mais não seja, psicologicamente. Estamos fechados em casa sem saber o que será o dia de amanhã. Pior, sem saber o que será o mês seguinte, o aniversário seguinte, o natal seguinte. Começo a sentir medo de ir à rua e isso deixa-me ansiosa. Vou muito muito pouco, obviamente, mas quando vou sinto um medo gigante. Isso é assustador.

Ontem deixei o meu bolinhas que me acompanhou durante a última década, o meu primeiro carro, na oficina para abate. O meu cunhado, dono da oficina, disse que me vinha deixar a casa e eu quis vir a pé. Quis apanhar ar. Quis sentir a rua. É perto de minha casa, mas há uns tempos atrás fazer aquele caminho, para mim, era uma seca.

Ontem criei um site para anunciar aos convidados do meu casamento que temos uma segunda data em mãos. Recebemos palavras bonitas de amor e carinho. Eu voltei a chorar com a incerteza.

Custa-me ver a minha mãe porque tenho medo que lhe aconteça algo. Tenho medo da minha sogra também.

Nasceu…

Das arrumações

Arrumar tudo a funda faz-nos descobrir coisas que já nem nos lembravamos ahah
Então, percebi que tenho cremes de corpo até fazer 50 anos. Gel de banho tenho ali em stock até acabar a quarentena. Vernizes que já eram pó, foram para o lixo. E eu que adoro quando as bloggers partilham caixas de amostras e fico sempre a pensar "como é que conseguem???" descobri que, também eu, tenho cá imensas. Coisa boa, o meu gel de limpeza facial está a acabar, vou usar as amostras. O resto vou usando. Já estive a arrumar e separar tudo :)

E por aí? Que coisas já descobriram?

Quarentena #2

-Já andava com saudades da minha mãe e da rua. Temos levado isto mesmo à séria e, para mim, nem as caminhadas higiénicas fazem sentido. Como a minha mãe continua a trabalhar e anda de transportes, ontem fui a uma mercearia ao cimo da minha rua para comprar umas coisitas e estive com a minha mãe até ela apanhar o autocarro. Cumprimentei-a com um chuto no pé, não me aproximei dela mas fiquei loucamente feliz só de a ver ao longe. Tirei finalmente o pijama ou o fato de treino, vesti umas calças, uma blusa e as minhas botas. Agora esta roupa "normal" passou quase a ser uma roupa de gala. Caramba, como as coisas mudam. Fizemos uma videochamada para a minha prima na Suíça e voltei a dar mais mil recomendações à minha mãe. Vi-a ir no autocarro como se fosse para longe... Tudo se tornou uma incerteza. Enquanto a minha mãe esperava pelo autocarro passaram dois carros com polícia. Fiquei contente e assustada.

- Já lavei tapetes no terraço, já lavei as janelas à mangueirada, já pus a …

Há dias...

Há dias que se aguentam melhor. Há dias que custam mais. Há muito para fazer e pouca vontade.
Há dias em que pensar o nosso casamento me custa muito, não vou mentir. Já tive um dia em que chorei muito, em que não me apetecia falar com ninguém. Se é fútil? É. Mas é o nosso casamento e, às vezes, ainda não consigo aceitar isto tudo de ânimo leve, apesar de ter SEMPRE plena noção que, o mais importante de tudo, é que nos safemos todos com saúde.

Depois há dias em que lês uma moça que andou na universidade contigo que foi mãe e pensas como deve ser duro não poder apresentar o seu filho, de imediato, à família. Depois penso na madrinha de casamento do meu noivo, nossa prima, que vai ser mãe de um bebé tão mas tão desejado e vai estar sozinha na cidade onde trabalha, e nem podemos pegar no carro e ir a correr ver o nosso príncipe encantado. Depois penso em 3 grandes amigas minhas, uma que tem bebé previsto para o dia antes do meu casamento (mas aí quero acreditar que o pai da criança pode …

Quarentena #1

Estou deitada no sofá da sala. Em silêncio (ou melhor, a ouvir os vizinhos a discutir). Sem televisão e sem ver notícias. Hoje sinto-me a quebrar e a enlouquecer. Hoje não me apetece saber mais deste maldito vírus... Resta-nos apenas fé. E precisamos de coragem... Posto isto é uma vez que hoje só me apetece mesmo ocupar a cabeça com nada, achei por bem vir contar-vos o que tenho feito na minha quarentena.

Estou em casa, sem sair mesmo, desde quinta feira (nem sequer é muito tempo) e tenho tentado não me obrigar a nada, fazer o que tem que ser feito e que me apetece.

1. Já estou farta de cozinhar. Odeio é, agora em casa, "tenho" que fazer as refeições todas. FARTINHA.
2. Tive que arranjar uma segunda data para o meu casamento e falar com todos os fornecedores.
3. Fiz salame de chocolate pela primeira vez. Estava tão bom que o namorado venera salame e ainda cá temos ahah.
4. Fiz sopa de agrião (não sei fazer sopa, por isso é quase uma novidade ahah).
5. Já passei metade da ro…

Cenas de um casamento - o Coronavirus

Namoro há 12 anos. Com tanto ano para casar logo tinha que escolher este. É isto que me ocorre. Caso em Junho e as incertezas não saiem da nossa cabeça. Se por um lado queremos acreditar que até lá tudo ficará bem, por outro lado não acreditamos minimamente nisso. O que vos posso dizer? É triste e dói. Foram mais de dois anos a planear este dia e, agora, vem um vírus atormentar isto tudo.
Certas pessoas não têm sensibilidade na abordagem, há várias opiniões... Decidimos meter mãos à obra, falar com os nossos fornecedores e procurar alternativas.
Se tudo correr bem, perfeito. Se os nossos convidados estiverem em perigo, adiamos. Se eu acredito que é possível? Acredito. Espero mesmo que em Junho já seja possível realizar casamentos, se acredito que é seguro? Não, não acredito.
Desta forma, e apesar de a maioria das pessoas dizerem para esperar, comecei a falar com os meus fornecedores das possibilidades para Setembro. Curiosamente já tinha dito ao noivo que, à partida, sobrariam doming…