27.12.13

2013

Imagem daqui.

´Foi tão difícil que me custa escrever. Acreditei mesmo à séria neste ano. Pensei que seria imensamente feliz, mas não foi. Acreditei que fosse o ano da minha vida, que fosse viver com o meu namorado, que o meu trabalho fosse valorizado e desse frutos. Nada. Nada. Mesmo nada.
Foi um ano duro este. E pouco destaco no bom, ainda que o tenha havido.

Tive sempre ordenados em atraso. Trabalhava de grande e nunca sabia o dinheiro que iria ou não ter.
Recebi a minha carteira profissional. Linda que só ela.
Fui despedida com três meses de salário em atraso. Assim, sem mais nem menos. Depois de um Muito Bom, no estágio profissional, ao fim de um mês fui posta na rua. Não consigo explicar a dor que senti. Ainda que soubesse que aquilo não era vidinha para ninguém.
Antes disso tive o "prazer" de fazer as mudanças da "minha redação" para o carro da empresa, depois de sermos despejados.
Tive que fazer ameaças para me passarem os papéis do desemprego onde tive o "prazer" de estar quatro meses.
Nasceu o meu afilhado. Um dos príncipes da minha vida. 
Graças à situação profissional tive a possibilidade de o ir visitar com menos de um mês de vida.
Perdi o medo, gastei o dinheiro que tinha, apanhei o avião e fui à Suíça para o conhecer.
Reencontrei o meu primo ao fim de dois anos e meio.
Viciei o meu afilhado em colo.
Enchi meia mala com chocolates.
Vi uma exposição da Joana Vasconcelos.
Tive a melhor festa de anos de sempre. A minha primeira festa surpresa.
Tive pela primeira vez a minha melhor amiga na minha festa de anos.
Tive um vídeo surpresa e prendas lindas.
Fui ao Avante com o meu namorado.
Passamos férias em Sesimbra.
Estive pela primeira vez numa praia de Nudismo (sem o fazer), no Meco.
Não gostei de Sesimbra.
Fiz um curso de fotografia que adorei.
Procurei trabalho sem respostas.
Senti-me perdida, como talvez nunca tenha sentido.
Tive crises de ansiedade.
Tomei calmantes.
Encontrei na minha amiga mais depressiva o meu porto de abrigo.
Não senti apoio da minha melhor amiga.
Arranjei trabalho.
Não gostei de ser agente comercial.
Escrevi uma crónica.
Despedi-me quando percebi que a empresa não tinha dinheiro.
Ficaram-me, novamente, a dever meio mês de salário.
Denunciei o meu ex-patrão, do estágio profissional.
Pedi advogado à  segurança social, para avançar para tribunal de trabalho.
Por um motivo mesmo mesmo triste arranjei, novamente, trabalho num sítio de onde já me tinha arrependido de, em tempos, ter saído. Tem um sabor mesmo agri-doce este posto de trabalho.
Morreu o meu tio, um dos homens da minha infância.
Fui a Lisboa para estar com o meu afilhado uma hora, enquanto fez a escala para o Brasil.
Passei a noite num hotel, com o meu namorado. Uma das nossas prendas de Natal.
Vi Lisboa vestida de Natal.
Foi um Natal difícil entre mim e a minha mãe.
Percebi que preciso voar.

Foi difícil, tanto que não sei explicar. Mas sobrevivi.
Venha de lá 2014. Que seja um dos melhores da minha vida. 

5 comentários:

Daniela Pacheco disse...

Mas que ano linda. Coisas boas e coisas más, são realmente o que fazem de cada ano uma lição de vida! Beijinhos!

Mrs. BlueBerry disse...

Estou como tu, sobrevivi! 2013 não foi um ano terrivel mas também não foi lá grande coisa. Estou ansiosa por 2014!

Bom fim-de-semana.

ML disse...

Vais ver que 2014 vai estar recheado de sonhos felizes para ti!

liliana p disse...

Foi um ano em cheio, espero que 2014 te corra bem melhor! Boa sorte :)*

Maria disse...

ate para o ano :) que 2014 seja doce, mágico, feliz, sonhador, simpatico e melhor que 2013 :)