11.7.13

1 ano.

Imagem daqui.

E a dor continua a ser a mesma. Não aliviou, não me conformei, não aprendi a viver sem ti.
E eu meti hoje num saco o vestido que usei naquele dia, para o dar aos mais desfavorecidos. Nunca mais o consegui usar.
E ainda vejo o cortinado a arrastar-se pelo teu corpo.
E eu guardo rancor à pessoa que julgo ter culpas no cartório, embora saiba que não devo julgar ninguém.
E ainda sinto a falta do teu pelo enroscado no meu pescoço.
E eu ainda me sinto culpada, nem sei bem de quê.
E ninguém te substitui.
E eu continuo a ter um nó na garganta ao falar de ti. Ou melhor, na loucura, consigo dizer umas cinco palavras seguidas a teu respeito.
E cada vez faz mais sentido aquilo que uma colega de tuna me disse " agora dói porque é recente, mas vais sempre sentir a falta dele". E a voz ficou-lhe embargada ao dizer que já estava quase a fazer um ano da morte do gato dela e ela continuava a sentir saudade.
E não saber nada de ti, destrói-me.
E eu só queria saltar cada dia 11 do calendário.
E o teu desaparecimento foi das piores coisas que me aconteceu a vida.
E as lágrimas que já deitei nunca serão suficientes. 

Já passou um ano. Já estás à mais tempo fora de mim do que aquele que tiveste comigo. Mas eu continuo a ter a certeza que mais que um gato foste um elemento da minha família, que me amava e a quem eu amei incondicionalmente. E se eu tivesse que abdicar de certas coisas que aconteceram na vida para te ter aqui comigo assim o teria feito. Sem pensar duas vezes.

E eu só voltarei a estar completa, se um dia tu regressares, meu amor de quatro patas.




3 comentários:

Moa disse...

:(

S* disse...

Alguns animais marcam-nos para sempre. Muita força.

Alex disse...

Sei bem o que sentes. Já tive vários gatos ao longo da vida, mas nunca um foi tão especial como o meu Francisco que morreu a 17 de Maio de 1997 e lembro-me sempre dele. Nunca o vais conseguir substituir, mas podes sempre dar amor a outro gatinho. Acredita que é verdade. Bjs