17.1.12

Sonhos.

Um dia eu tive um sonho. O sonho do jornalismo. Estudei para aquilo e não, não fui a melhor do curso nem nunca o pretendi, porque sempre soube que queria viver. E vivi. Vivi muito. Fiz sempre de tudo enquanto fui estudante, desde a primária até à universidade. A minha mãe deixou-me sempre fazer o que eu queria, desde que soubesse que a escola estava à frente de tudo, sem que para isso deixasse de viver.
Hoje tenho um curso, nunca perdi um ano a não ser este último da tese. E se muitos andam lá anos e anos e têm sempre bolsa, eu perdi um (UM) e com ele perdi automáticamente a bolsa. Pensei "acabo para o ano". Hoje não quero acabá-la. Não porque ache que não vale a pena, porque vale sempre. Mas porque o sonho já foi. E "o sonho comanda a vida", e é isso que muita gente continua sem perceber. Eu amei o meu curso com uma intensidade tremenda, gostei mesmo daquilo. Não me arrependo e nunca me vou arrepender de o ter tirado. Só tenho pena de estar num país que não me deixa sonhar. Não por se dizer que estamos em crise, até porque como no outro dia me disseram "eu sempre estive em crise por isso não me faz diferença", mas porque o meu país não me deixa sonhar. Porque para se ser jornalista não é preciso ter-se curso nenhum. Porque há gente a trabalhar em jornalismo há uns 40 anos, não têm cursos (ou têm outros completamente diferentes) e ocupam o nosso lugar. Se são bons? Uns sim outros não, o que é certo e verdade é que não há lugar para mim e para outros tantos como eu.
E assim os sonhos fogem e a vontade também. No fundo eu sempre soube que um dia seria assim e foi por isso que no dia que me disseram "vais tirar esse curso para que se não tem saida?", eu respondi "Porque no fundo nada é certo e se tiver que ser frustrada por não ter emprego, ao menos sou feliz por ter o curso que quero".
E é isso. São sonhos.

1 comentário:

S* disse...

Bom, o mundo evolui e, com essa evolução, criaram-se os cursos. Não tenho nada contra quem trabalha na profissão há muitos anos mas não tem curso. Se, há 15 anos atrás, não havia curso de jornalismo, as pessoas não podia fazer milagres. :/ Hoje em dia só pode ser jornalista quem tiver o curso e carteira profissional, o que concordo. No entanto, mesmo com curso, há muito mau jornalista por aí.

Lamento que não tenhas conseguido (ainda) seguir o teu sonho. Sou jornalista, não trocava a minha profissão por nenhuma outra. Entendo bem a tua frustração... até porque a minha irmã é licenciada em direito e teve de abrir a loja dela para se safar. Muitas vezes, a vida não nos dá o que queremos e merecemos... mas não deixes de lutar.